A tolerância é uma das expressões máximas do amor. Não existe maior prova de amor do que aceitar as pessoas como elas são, bem como aceitar os desígnios do Criador para as nossas vidas.

Aceitar significa não fazer julgamentos, não fazer acusações. Quantas vezes julgamos indevidamente o nosso próximo cobrando-o por atitudes e posturas que nós mesmos sequer damos o exemplo!?
Quantas vezes, de certa forma, cobramos até de Deus uma postura em nosso benefício, tipo: “ah, meu Deus, isso não podia acontecer comigo!“; “Deus não está sendo justo comigo“, “Deus me abandonou“, e tantas outras expressões que conhecemos.
O dom da vida é oriundo da Criação Divina, e nos permite estarmos onde estamos para o nosso próprio bem e aprendizado. Quando essa verdade for absorvida pelo nosso entendimento, teremos dado um largo passo rumo ao nosso próprio crescimento.
Na Tolerância não existe a polaridade do certo ou errado. Existe, sim, a polaridade do amor e do perdão. Cada alma é seu próprio senhor e tem a sua verdade em seu próprio tempo.
Perante o próximo ela se torna relativa, pois, o Criador nos tornou donos do nosso Universo e por ele somos os únicos responsáveis ao nosso modo. Essa é a verdade.
Na Intolerância reside a futilidade da raiva que dá origem ao ódio e às doenças; mas, a futilidade dos julgamentos dão origem às guerras pessoais e coletivas. Portanto, a Tolerância é o princípio do amor, na aceitação do próximo e da vida.
E é nesse nível de amor que a vida encontra sentido e propósito, porque esse é o sentido e propósito do amor, simplesmente amar aceitando a vida e amando o próximo como a nós mesmos!

Que possamos exercitar ainda mais a Tolerância, que é a base do amor incondicional para o alcance da Fraternidade Universal, afinal, somos todos Irmãos!

Fonte: Texto enviado nos grupos de whatsapp pelo Irm.´.  Hector Guerrero