O Exército brasileiro tem apreço pelos genocidas. Fez do até agora maior deles, Caxias, seu patrono. Caxias matou brasileiros, 10 mil na Balaiada, mais de mil no massacre de Porongo, e mais de 300 mil homens, mulheres e crianças na Chacina do Paraguai, chamada de “Guerra” pela historiografia oficial militar -levando 100 mil brasileiros pobres, em sua maioria negros, igualmente à morte. Quando imaginava-se que os feitos do general Luís Alves de Lima e Silva, o duque de Caxias, seriam insuperáveis, eis que surge a figura do general Eduardo Pazuello a ombreá-lo como co-autor do genocídio contemporâneo, ao lado de Bolsonaro.

Pazuello assumiu o Ministério da Saúde em 15 de maio de 2020, quando o país tinha 14.817 mortos notificados pela Covid. Deixou a pasta 10 meses depois e um rastro de 280 mil mortes -os números são bem maiores, mas esta é a numerologia macabra oficial. É patente que na conta de Pazuello e Bolsonaro devem ser incluídos todos os mais de 170 mil mortos que vieram depois da gestão pazuellina -num total, até este domingo, de mais de 450 mil mortes (estima-se que devido à subnotificação, pode ter morrido mais de 600 mil pessoas em razão da pandemia).

Sim, pois como o demonstrou a professora Deisy Ventura, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) e coordenadora de uma série de estudos ao lado da Conectas Direitos Humanos sobre a existência de uma estratégia institucional de propagação do coronavírus adotada pelo governo do presidente Bolsonaro e que teve em Eduardo Pazuello seu principal sócio. O estudo enumerou 3.049 normas federais produzidas em 2020 que identificam sem margem a dúvidas “a estratégia intencional do governo Bolsonaro” (nas palavras de Ventura) e propagação do vírus. Assista aqui à entrevista da jurista à TV 247 em 25 de janeiro de 2021 onde ela apresenta o estudo.

Responsável maior pela chacina ao lado de Bolsonaro, Pazuello foi à CPI na última quarta-feira (19), voltando no dia seguinte. Seu desempenho oscilou entre a truculência, uma torrente de mentiras e o cinismo.

Qualquer testemunha que tivesse comportamento similar ao de Pazuello no confronto com os senadores teria saído preso da sessão -de fato, não há registro de algo semelhante na história das comissões parlamentares de inquérito.

Pazuello não saiu preso porque é general e, apesar de trajar terno, todos o viram sentado no banquinho da CPI com a farda de um general do Exército brasileiro.

Só por isso saiu incólume aos seguidos atos de truculência e desrespeito aos senadores: disse que as perguntas do relator eram “simplórias”; em determinado momento, com ar de irritação, afirmou “Eu já respondi isso n vezes” e, logo depois, em outro assunto, desafiou: “Isso já foi respondido centenas de vezes”. Numa pergunta sobre as vacinas da Pfizer, ousou: “Não, até porque não houve decisão de não responder a Pfizer, digo isso pela quinta vez”. Se fosse civil, teria saído para a prisão.

O general e o capitão desfilando no Rio (Foto: Reprodução)

Mas a truculência não foi a pior agressão do general. Ele mentiu vezes sem conta, como os serviços de checagem das diferentes mídias o comprovaram. O cinismo, entretanto, foi o cume de seu comportamento.

Diante dos senadores e senadoras, Pazuello jurou sua adesão à necessidade comprovada de distanciamento social durante a pandemia e ao uso de máscara em ambientes públicos -o verbo “jurar” aqui não é em sentido figurado; o general e toda pessoas que depõe numa CPI para juramento formal de dizer a verdade e incorrer em crime de falso testemunho se rompe o compeomisso. Pois três dias depois de seu juramento, o general desfilou no Rio ao lado do capitão, sem máscara e aglomerando sorridente.

O general não foi, portanto, apenas truculento ou mentiroso ou cínico.

Neste domingo, fez mais: tratou os membros da CPI como idiotas.

E agora? 

O presidente da CPI, senador Omar Aziz, garantira no sábado que Pazuello será convocado mais uma vez. Os senadores passarão recibo de idiotas e verão a comissão desmoralizada ou irão reagir?

Ser ou não ser idiotas institucionais.

Eis a questão.


O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio