O ex-policial Élcio Queiroz entrou 12 vezes no condomínio Vivendas da Barra e, em 11 das visitas, se dirigiu à casa de Ronnie Lessa – o outro suspeito de ter assassinado Marielle Franco. A única exceção é a entrada no dia do crime, 14 de março, quando a planilha manuscrita indica que a autorização de acesso na portaria foi dada por alguém da casa 58, onde vivia o atual presidente Jair Bolsonaro.

“A única exceção é a entrada no dia do crime, 14 de março, quando a planilha manuscrita indica que a autorização de acesso na portaria foi dada por alguém da casa 58, onde vivia o atual presidente Jair Bolsonaro, então deputado federal. Essa menção ao imóvel do presidente passou a ser alvo de averiguação no mês passado, quando um dos porteiros declarou à polícia que o ex-PM Élcio entrou no condomínio naquele dia após autorização do “seu Jair”, da casa 58”, aponta o texto.

Fonte: Brasil 247


LEIA MAIS SOBRE O CASO:

https://atomic-temporary-144260724.wpcomstaging.com/policia-do-rio-prende-mulher-de-acusado-de-matar-marielle/

https://atomic-temporary-144260724.wpcomstaging.com/suspeito-de-matar-marielle-recebeu-r-100-mil-em-dinheiro-e-tem-bens-bloqueados/

https://atomic-temporary-144260724.wpcomstaging.com/caso-marielle-x-bolsonaro-o-porteiro-do-vivendas-da-barra-passa-a-ter-a-sua-vida-e-a-de-seus-familiares-em-risco/